Rei da Tailândia se dirige aos manifestantes pela primeira vez


O rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn (ou Rama X), fez um raro comentário público sobre os protestos em andamento na Tailândia contra o governo e seu reinado.

O rei disse dos manifestantes que “os ama a todos da mesma forma” e que a Tailândia é a “terra do compromisso”. O rei estava com sua esposa, a rainha Suthida, e sua filha, a princesa Sirivannavari, no sábado em Bangkok quando a CNN e o Canal 4 estavam em uma função no Grande Palácio e o interrogaram sobre as manifestações pró-democracia em seu país e o que ele diria para os manifestantes.

O rei Rama X primeiro disse “sem comentários” quando questionado pela mídia, mas depois disse: “Amamos todos eles da mesma forma. Nós os amamos do mesmo jeito. Amamos todos eles do mesmo jeito. ”

Em seguida, ele foi questionado se havia espaço para um acordo, já que os manifestantes querem um freio em seu poder crescente. Foi quando o monarca de 68 anos respondeu: “A Tailândia é a terra do compromisso”.

A princesa Sirivannavari também disse à CNN: “Amamos o povo tailandês, não importa o que aconteça”, acrescentando que a Tailândia é um país pacífico.

Esta foi a primeira vez que Rama X falou para a mídia estrangeira desde 1979, quando era o Príncipe Herdeiro da Tailândia. O Royal Household Bureau convidou a mídia internacional a sentar-se ao lado da multidão de apoiadores reais em um raro movimento, já que normalmente apenas a mídia alinhada com o palácio tem permissão para comparecer nessa capacidade.

A mudança pode ser vista como um controle de danos, já que o monarca foi duramente criticado na mídia internacional e na Alemanha, onde ele reside principalmente em um hotel com seu harém. O governo do país europeu decidiu recentemente que o rei - que acumulou mais poder desde que ascendeu ao trono com a morte de seu pai em 2016 - não pode reinar de seu solo.

Protestos em massa ocorreram em toda a Tailândia por meses, com manifestantes exigindo que o líder da junta, o primeiro-ministro Prayut Chan-o-cha, renunciasse, uma nova constituição fosse criada e a monarquia fosse reformada. Os protestos vieram com um alto risco, já que a Tailândia tem leis rígidas de lese majeste que podem levar a uma pena de prisão de 15 anos por insultar, difamar ou ameaçar o monarca ou membro da Família Real Tailandesa.