Ex-parlamentar da Jordânia é indiciado por agredir o rei e a rainha


Família Real da Jordânia

Ahmad Oweidi Al-Abbadi, ex-parlamentar da Jordânia, foi preso sob acusações de “agredir o rei e a rainha, além de incitar golpe de Estado, segundo fontes jurídicas. As informações são da rede Al Jazeera. 


Abbadi, de 75 anos, é crítico de longa data da monarquia jordaniana. Foi preso pelo Departamento de Inteligência Geral do país, na capital Amã, em 2 de junho. Acusações contra o ex-parlamentar mencionam “violação da lei eletrônica” e “tentativa de sabotar o regime”. Detalhes do indiciamento permanecem incertos.


Ex-coronel do exército, Abbadi serviu como representante da direita nacional no parlamento jordaniano entre 1997 e 2001. É crítico contumaz da presença continuada de palestinos na Jordânia, ao questionar inclusive seus direitos de cidadania.


Suas críticas à família real incluem condenação pública às origens palestinas Rainha Rania. Abbadi representa uma voz política significativa dos apelos jordanianos pelo estabelecimento de uma república, embora conservadora e nacionalista.


Em 2007, o ex-parlamentar foi condenado a dois anos de prisão devido a e-mails classificados como “fake news”, em detrimento do estado. Em 2012, Abbadi voltou a ser detido e julgado por uma entrevista à imprensa na qual promoveu chamados republicanos na Jordânia.


Segundo registros da organização internacional Human Rights Watch (HRW), em entrevista, Abbadi descreveu a monarquia como um sistema de governo arcaico, incapaz de representar com precisão os anseios do povo. O ex-parlamentar ainda sugeriu que oficiais militares da reserva deveriam organizar um golpe.


Sob a lei jordaniana, é ilegal criticar o monarca, as instituições domésticas, oficiais de governo ou diplomatas.