Império do Japão suspende alerta de saúde contra a Covid-19 em quase todo país




O governo do Império do Japão suspendeu na última quinta-feira, 14, o alerta de saúde devido ao novo coronavírus na maior parte do território nacional. As infecções foram significativamente reduzidas no país asiático, que conta com 16.000 casos e 678 mortes, mas a pandemia continua ativa na região de Tóquio.

“Tomamos essa decisão depois de consultar especialistas e verificar que o critério objetivo de diminuir o número de infecções foi cumprido nas últimas duas semanas”, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe.

Abe autorizou que, em 39 das 47 províncias do Japão, as restrições e recomendações implementadas durante o estado de emergência para combater a Covid-19, doença respiratória causada pelo coronavírus, fossem retiradas progressivamente. Inicialmente, o governo central havia estabelecido como prazo o dia de 31 de maio.

No entanto, o alerta de saúde continuará em vigor em Tóquio e Osaka, as duas das áreas metropolitanas mais habitadas do país, além de Chiba, Saitama, Kanagawa, Hokkaido, Kyoto e Hyogo. A estratégia foi adotada para garantir que o número de novos casos continue caindo, impedindo a sobrecarga do sistema hospitalar do Japão. 

O país teve o recorde de novos casos no dia 11 de abril, com 743 infecções registradas em 24h. Desde então, a tendência é de queda, com menos de 300 casos por dia desde o início de maio.

Em Tóquio e Osaka, as infecções diárias já caíram 60%. Contudo, Abe diz que “isso não é suficiente”, porque ainda há muita pressão sobre o sistema de saúde das duas regiões e um grande número de pacientes que precisam de assistência respiratória. A cidade de Tóquio concentra 31% do total de casos do país.

Segundo o jornal japonês Nikkei Asian Review, a premissa básica da resposta à pandemia no país é o “Teste-Rastreie-Trate”. Depois que um indivíduo apresenta sintomas da doença, como febre e tosse, cada foco de infecção é rastreado até a fonte original e todos que tiveram contato com a pessoa são isolados e tratados.