Parlamento é dissolvido e começa período eleitoral no Reino Unido


A pouco mais de dois meses das eleições antecipadas no Reino Unido, o Parlamento britânico foi dissolvido no início desta quarta-feira, 6. O pleito, que definirá os 650 membros da Câmara dos Comuns e o novo primeiro-ministro, está marcado para 12 de dezembro e será o segundo desde o referendo que decidiu o Brexit, em 2016.

O premiê Boris Johnson, em discurso também nesta quarta-feira, 6, atacou seu rival eleitoral e líder da oposição, Jeremy Corbyn. “Imagine acordar na sexta-feira 13, de dezembro, e encontrar Corbyn liderando essa coalizão de dar ânsia”, disse, sobre a aliança do Partido Trabalhista com os liberais-democratas e outras legendas menores.


Corbyn, membro do Partido Trabalhista, defende um novo referendo para resolver o Brexit até o final do primeiro trimestre de 2020.

O pleito do dia 12 foi aprovado pelos próprios parlamentares no dia 31 de outubro — data que antes fora prevista para a saída oficial do Reino Unido da União Europeia — após os britânicos e a UE entrarem em acordo para o quarto adiamento do Brexit, desta vez, para o próximo 31 de janeiro.

Até então, as eleições estavam previstas para 2022, em concordância com a lei eleitoral de 2011, que prevê intervalo de no máximo cinco anos entre um pleito e outro. Também de acordo com a legislação, o Parlamento foi dissolvido com pelo menos 25 dias de antecedência da votação nas urnas.

O Partido Conservador, do premiê Johnson, não tem boas lembranças da última vez em que eleições gerais foram convocadas antecipadamente. Em 2017, um ano após o referendo que tem sido usado como fundamento para a saída do Reino Unido da UE, a então premiê conservadora, Theresa May, chamou o povo às urnas. Mas, após o resultado, acabou perdendo sua maioria absoluta no Parlamento, o que lhe impossibilitou de aprovar um acordo para o Brexit.