Justiça da Espanha condena líderes separatistas da Catalunha

A Suprema Corte da Espanha condenou nove líderes separatistas da Catalunha nesta segunda-feira (14) por envolvimento na tentativa fracassada de independência na região em 2017. Todos os réus foram absolvidos da acusação mais grave, a de rebelião, mas receberam penas de prisão que vão de 9 a 13 anos por sedição (uma forma mais branda de rebelião contra autoridade). A sentença provocou protestos na região.


Os réus, que estão há meses em prisão preventiva, receberam as seguintes penas:

Ex-vice-líder do governo regional catalão, Oriol Junqueras, foi condenado a 13 anos;
Raül Romeva, Jordi Turull e Dolors Bassa foram condenados a 12 anos;

Josep Rull e Joaquim Forn pegaram 10 anos e meio;

Ex-presidente do Parlamento Carme Forcadell foi condenada a 11 anos e meio;

Líderes das associações separatistas ANC e Òmnium Cultural, Jordi Sànchez e Jordi Cuixart foram condenados a nove anos.

Os outros três réus Santi Vila, Carles Mundó e Meritxell Borràs, que respondem em liberdade, foram isentos da acusação de malversação de dinheiro público, mas foram considerados culpados pelo crime de desobediência por envolvimento no referendo de outubro de 2017, realizado apesar de uma proibição, e na curta declaração de independência catalã. Eles receberam uma multa.

O Ministério Público tinha pedido até 25 anos de prisão contra os 12 acusados, responsáveis pelo Executivo e pelo Parlamento da Catalunha, assim como pelas influentes associações separatistas.

A decisão provocou protestos nas cidades da Catalunha, e houve confrontos com a polícia.

Fonte: El Pais